O Maior Jogo Da História do Tottenham Hotspur

O Maior Jogo Da História do Tottenham Hotspur

Por Guilherme Decourt

Nesse sábado o Tottenham enfrenta o Liverpool, na partida mais importante da sua história, a
inédita final da Champions League. Em uma temporada atípica, onde o Tottenham, primeiro
clube na história da Premier League, não contratou ninguém em função das obras do novo
estádio, passou perto de perder Son para exército sul-coreano, perdeu seu grande nome no
meio-campo Mousa Dembele e viu Moussa Sissoko ganhar o prêmio de melhor jogador
temporada, chegar a final da Champions parecia um sonho que nem o mais otimista torcedor
sonharia. Após duas classificações épicas contra Manchester City e Ajax o time do Norte de
Londres vai até Madrid procurar escrever o último capítulo dessa brilhante campanha e
conquistar o maior título de clubes do planeta.

Escalação – O dilema de Pochettino

Elenco:
Pela primeira vez em muito tempo o técnico Mauricio Pochettino terá todos seus principais
jogadores disponíveis, já que Harry Kane, Harry Winks, Jan Vertonghen e Serge Aurier estarão
disponíveis. Erik Lamela, Victor Wanyama e Eric Dier já estavam disponíveis após longo
período de ausência. Em uma temporada tão marcada por lesões, onde em praticamente em
nenhum dos jogos importantes o Tottenham teve todos seus principais jogadores à disposição,
o técnico argentino terá uma “saudável” dor de cabeça para escolher os 11 titulares, onde será
inevitável cometer alguma “injustiça”.
Principais dúvidas:
Lateral-Direita: todos que acompanharam a temporada do time sabem da péssima temporada
que Kieran Trippier faz. Cometeu muitos erros que resultaram em gols adversários,
especialmente em duelos grandes, e não teve a mesma efetividade ofensiva das temporadas
passadas. Serge Aurier é o concorrente, o inconstante lateral marfinense retornou de lesão há
algumas semanas mas ainda não atuou. Aurier, teoricamente, poderia apresentar mais força
defensiva, mas nunca sabemos o que esperar dele e a falta de ritmo de jogo pesa contra ele.
Trippier é o leve favorito e caso seja escalado, deverá contar com forte apoio de Sissoko na
marcação, como ocorreu contra o Manchester City nas quartas na marcação de Sterling.
Especialmente levando em conta o fortíssimo lado esquerdo do Liverpool com Mané e
Robertson. Independente de quem atue a lateral-direita é a posição que mais preocupa o
torcedor.
O Fator Kane: O atacante inglês retornou de lesão e se declarou apto para a final, sempre se
recuperando antes do prazo e sempre com muita vontade de jogar Kane deverá ser titular e
com isso Dele Alli, Son e Lucas disputariam duas vagas, já que contra o forte time do Liverpool
o Tottenham deve jogar com Winks/Wanyama, Sissoko e Eriksen no meio. Dele Alli atuou mais
recuado em alguns jogos da Champions, mas com mais funções defensivas o inglês perde sua
principal característica que é a chegada na área adversária. Então quem deveria jogar entre
Lucas, Son e Alli? O coreano, um dos melhores jogadores na temporada, parece o mais certo.
Dele Alli, mesmo melhorando na reta final da temporada, teve atuações bem abaixo das

temporadas passadas mas mesmo assim parece ter lugar cativo no time. O inglês oferece mais
força defensiva e mesmo quando atua mal consegue ser decisivo com gols e assistências. Com
isso Lucas Moura ficaria de fora? O grande herói da classificação para final que marcou um hat-
trick contra o Ajax, pareceria injusto mas se baseando nas escalações passadas parece que será
o brasileiro o preterido, ao menos que Harry Kane comece no banco de reservas.
Independente de quem fique de fora, o ponto positivo é que no banco teremos boas opções
ofensivas para entrar no decorrer da partida com Lucas/Kane ou Son ou Alli, além de Lamela e
Llorente, em uma temporada chegamos a ter, o esquecido, Vincent Janssen como única opção
ofensiva no banco de reservas.
O Liverpool: o adversário da final é dificílimo. Possui um trio de ataque muito forte que tem
em Salah o artilheiro da Premier League pela segunda temporada consecutiva. Para parar o
Liverpool o Tottenham precisa ganhar o meio de campo e encaixar a marcação pressão,
especialmente não dando espaços para os excelente laterais Alexander-Arnold e Robertson,
líderes de assistência na posição na temporada 2018/2019. Harry Winks, que volta de lesão
será muito importante no meio caso seja escalado, jogando entre Eriksen e Sissoko, já que
além da força defensiva o jovem inglês oferece maior qualidade no passe e manutenção da
posse de bola do que seus concorrentes Wanyama e Dier. Wanyama foi muito atacado pelo
Ajax por ter o pior passe dos jogadores de meio, mas pode ser escolhido caso Winks não tenha
condições para os 90 minutos, e Eric Dier atuou muito pouco essa temporada, e a falta de
ritmo pesaria muito em um jogo que promete ter um ritmo alucinante.
Mauricio Pochettino: na última coletiva antes da final o argentino não revelou seu Kane
começará o jogo e que ainda não decidiu o time titular e que tomará sua decisão após o último
treino. Sobre a escalação o técnico disse: “As decisões para amanhã não são fáceis. Nós temos
todas as informações, sabemos de todos os detalhes e tomaremos a decisão certa para vencer.
É tão doloroso quando esse tipo de jogo chega e você só pode utilizar 11 jogadores, é a
situação mais dolorosa possível. Nós queremos escrever história e nós sabemos o que
precisamos fazer”.
A final será as 16:00 horário de Brasília com transmissão da TNT e da página do Esporte
Interativo no Facebook. Nas casas de aposta o Liverpool é o favorito, assim como eram
Manchester City e Ajax mas para um time que havia conquistado apenas 1 ponto nos três
primeiros jogos e que jogou 5 dos jogos de mata-mata sem seu principal artilheiro tudo é
possível e como dizem os lemas do clube – TO DARE IS TO DO, THE GAME IS ABOUT GLORY,
COME ON YOU SPUUUUUUUUUURS.

Facebook Comments